Branding

Marcas reais. Presentes. Humanas

Esqueça essa história de B2C. B2B. C2C.

O que prevalece no mercado real, no aqui e no agora, é sempre o P2P. Pessoas se conectando com pessoas. Pessoas interagindo com pessoas. Pessoas comprando de pessoas. Mesmo que essas pessoas estejam representando empresas.

Afinal, por trás de toda Razão Social existem uma, duas, dezenas, centenas, milhares de pessoas representando esta corporação. A humanização das marcas não é apenas uma tendência. É uma necessidade, uma obrigação. O mercado pede por isso. A sociedade pede por isso.

A ideia de humanizar uma marca parte do princípio de torná-la mais afável, adaptada ao público de maneira compreensiva e próxima. Apoiar causas sociais, ser mais empática e transparente, contar histórias de pessoas reais: atitudes assim aproximam marcas de pessoas, tornam as empresas, na visão de seus consumidores, mais humanas.

A humanização de marcas passa principalmente pela construção de um relacionamento fluido entre a empresa e o cliente, criando experiências e sensações no público e favorecendo a percepção de disponibilidade. É um processo profundamente ligado ao branding. O tom de voz, as mascotes, a identidade visual, a experimentação sensorial, a atmosfera, a paleta de cores, tudo tem que ser milimetricamente pensado para que a humanização não se resuma a um vídeo institucional que em breve será esquecido. Por ser uma construção, a humanização não surge da noite para o dia.

Ela acontece em cada momento de contato, seja no ato de compra ou em qualquer outra ação cotidiana em que a marca é lembrada. É fazer com que a compra seja mais do que apenas de um produto/serviço, mas sim de uma causa, tornando a empatia real e palpável.
As empresas humanizadas são valorizadas como aliadas para a vida diária, e não como simples alternativas comerciais ou produtos e serviços dos quais podem prescindir em qualquer momento.

Embora a inteligência artificial, a robótica e a automatização sejam uma realidade, elas não substituem a força humana. Segundo uma pesquisa realizada pelo Retail Dive, 70% dos consumidores desejam uma interação humana em vez de robótica.

O que torna uma marca humanizada?

1. Responsabilidade social

Em uma pesquisa realizada pela Deloitte, 80% dos consultados disseram que estariam dispostos a pagar mais quando uma empresa elevar seus preços para oferecer melhores salários e ser mais sustentável.

A responsabilidade social é uma das características fundamentais das marcas que conseguem se humanizar e gerar uma verdadeira conexão com seus usuários.

Ela faz referência ao compromisso que uma empresa assume diante dos seus trabalhadores, consumidores e o entorno. As companhias socialmente responsáveis se preocupam para que suas operações não afetem ao meio ambiente e garantam condições de trabalho ideais para seus empregados.

2. Estar disponível

Um dos motivos pelo qual todo usuário procura uma marca mais humana é porque é muito mais simples interagir com ela e apresentar preocupações, necessidades e, inclusive, descontentamentos e reclamações.

Humanizar marcas significa deixar de lado a burocracia e a inacessibilidade para migrar a métodos de atenção contínuos e efetivos, que oferecem um papel ativo ao consumidor e dão a devida importância a suas opiniões.

3. Comunicação natural

Outro fator característico de uma marca humana é a comunicação constante, tanto com seus clientes quanto com o público geral. Com isso, a marca se torna uma autoridade em uma temática determinada e transmite valores, como a proximidade e a transparência.

Esta comunicação deve ser feita por metodologias não invasivas e sustentáveis que, além de gerar oportunidades de negócio, têm como objetivo principal, informar, educar e aportar valor ao mercado e aos clientes.

Como humanizar uma marca?

A humanização da marca tem que estar no coração da cultura organizacional.

Não adianta ser uma empresa que prega a sustentabilidade e não ser sustentável. Que preza a inclusão social mas tem em seu quadro de colaboradores apenas pessoas de uma única raça. Não pode ser apenas na retórica, tem que ser na prática.

Para conseguir sólidas relações com os usuários e gerar confiança, é necessário deixar de lado paradigmas e adotar uma nova cultura organizacional e de negócios, que permita oferecer serviços próximos e amigáveis, além de se apegar à transparência e sustentabilidade.

Tendo esse estofo cultural, é possível colocar em prática algumas ações práticas para humanizar uma marca, como por exemplo:

1. Tenha um estilo próprio

Humanizar marcas significa dar a elas uma personalidade que as identifique e, sobretudo, se diferencie de qualquer outra. Por esse motivo, um dos passos fundamentais para conseguir essa transformação é a definição de um estilo próprio.

Entre outras coisas, isso leva a estabelecer um tom de voz, assim como diferentes temáticas a abordar. Também, dentro do estilo de uma marca, entram em jogo seus elementos visuais e a identidade corporativa. Dessa forma, as marcas se fazem únicas e reconhecíveis.

2. Seja fun!

A risada é uma linguagem universal que permite gerar laços e relações sociais. Além disso, é uma caraterística humana. Considerando isso, não há dúvida de que toda marca que busca se humanizar tem que mostrar seu lado divertido. A Internet e o universo das redes sociais oferecem muitas possibilidades para um posicionamento espirituoso, como por meio do compartilhamento de um “meme”.

3. Invista em storytelling

Storytelling é uma ótima forma de humanizar sua marca, afinal, consiste em uma narrativa envolvente, contando histórias de pessoas reais. Você pode gravar vídeos mostrando como é feita a produção dos seus produtos, entrevistando colaboradores, contando a história da empresa ou apenas exibindo imagens do dia-a-dia.

Esse tipo de material faz com que o usuário se sinta mais próximo da empresa, como se fosse um amigo e um confidente. Portanto, conte uma história que inspire as pessoas e provoque emoções.

As Marcas mais humanizadas do Brasil

Um estudo promovido pela USP entre mais de mil empresas brasileiras, selecionou as 22 mais humanizadas. Para esta seleção, foram escolhidos quatro critérios: propósito maior, liderança para stakeholders, cultura e liderança consciente.

São elas:

Albert Einstein
Bancoob
Boticário
Braile Biomédica
Cacau Show
Cielo
Clearsale
Elo7
Johnson&Johnson
Jacto
Klabin
Malwee
Mercos
Multiplan
Natura
Raccoon
Reserva
Tetra Pak
Unidas
Unilever
Venturus
Toca

Vale a pena conhecer e acompanhar essas marcas, principalmente pelas redes sociais, e usar como referência para sua empresa.

Quer humanizar sua marca?

Então vem ser Roxo com a gente.


Por

Adriano Frachetta | Estúdio Roxo