Estúdio Roxo

Como a embalagem da Apple oferece aos compradores uma experiência sensorial que fortalece a marca

06 Out. 2018
categoria Branding + Design + Marketing

A “experiência sensorial” pode não ser a primeira coisa que temos em mente quando pensamos em estratégia de marketing. No entanto, é a primeira experiência que os clientes têm com o seu produto: através da sua embalagem. A embalagem pode realmente ser tão importante quanto o item que contém.

Essa experiência sensorial continua quando eles a tocam e olham as imagens e o texto. A etiqueta pode ajudar os clientes a decidir se querem ou não comprá-los, mas se a embalagem não os engaja, é provável que eles não a comprem.

Um bom exemplo pode ser encontrado nas embalagens da empresa mais lucrativa do mundo: a Apple. Qualquer pessoa que já tenha visto a caixa de um iPhone, ou um novo MacBook, poderá imaginar a caixa branca minimalista com essas fontes metálicas cintilantes.

A Apple é um mestre reconhecido na criação de uma experiência sensorial icônica que comunica sua marca sem qualquer palavra ou até mesmo um logotipo. Isso porque a Apple torna sua embalagem artística e visualmente atraente como o próprio produto em si. Cada canto da caixa está limpo. A cor é um branco elegante e minimalista.

Cada parte da embalagem é projetada para ser limpa e direta. O design é simples em um mundo de desordem e superestimulação sensorial constante. A experiência sensorial icônica da Apple é a expressão da ausência de cores e imagens que chamam a atenção. E esse minimalismo é exatamente o que atrai os olhos.

Essa associação sensorial é reforçada pelo que está dentro da caixa: algo elegantemente apresentado, com um design limpo e simples de usar.

Para garantir que a abertura da caixa seja uma experiência única, A Apple conta com uma equipe de design, focada na experiência do usuário, que tem como objetivo transparecer a mesma mentalidade da empresa e do produto na construção, na abertura e nos materiais da caixa. O toque macio que a caixa proporciona é por conta de uma combinação de papel, mais um revestimento laminado, que ajudam a construir uma experiência sensorial.

A empresa também tem uma equipe dedicada a abrir centenas de caixas de protótipos. Essa equipe cria e testa versões infinitas de forma de caixa, ângulos e fitas. Isto não é apenas sobre estética. É também sobre uma embalagem que é fácil para os clientes abrirem, identificar facilmente as partes do componente e começar a usá-lo com facilidade. É um processo focado no cliente.

Para entender completamente o quão seriamente os executivos da Apple suam as pequenas coisas, considere isto: por meses, um time de designers de embalagens ficaram “trancados” em uma sala realizando a mais mundana das tarefas – abrindo caixas. O resultado final desse foco é a maravilhosa experiência de abrir um produto da Apple.

A visibilidade está diretamente ligada aos níveis de compra, é um dos principais motivos pelos quais 80% dos novos produtos de varejo falham. Contraste visual para outras marcas é a chave. A cor e as imagens dos produtos são as ferramentas mais poderosas da marca. No caso da Apple, as imagens que são super produzidas com uma plasticidade fenomenal a ponto de parecer uma obra de arte, gera um grande apelo visual que gera diferencial, agrega conceitos e enaltece o produto. A cor também é fundamental para seu produto se destacar na prateleira – e quanto menor a marca, mais importante é ‘possuir uma cor’ na prateleira. Embora não haja “cor mágica” para criar contraste, podemos dizer que as melhores soluções geralmente envolvem quebrar as regras.

A Apple trabalha muito bem com o conceito “menos é mais” quando se trata de texto na embalagem, mostrado em estudos de rastreamento ocular. Os compradores olham para um pacote de cerca de 5 segundos, decidindo se vão buscá-lo. Mais mensagens no pacote significam que mais mensagens competem pelos mesmos cinco segundos de atenção – o que torna menos provável que a mensagem seja transmitida aos compradores. Mais uma vez, a Apple é o mestre aqui, mostrando apenas o essencial na caixa e evitando a desordem que prejudicará a marca.

Não há dúvida de que a atenção de Steve Jobs para os pequenos detalhes é o que ajudou a Apple a se tornar a empresa que é hoje.

Em resumo, os consumidores esperam mais de uma experiência com suas embalagens e querem ser envolvidos e entretidos. Devido à necessidade de reconhecimento de marca e identificação e informação de variantes, a próxima geração de produtos de marca precisa olhar para o design como uma parte maior da marca, não apenas para criar conexões, mas também para gerar experiências.

Vamos começar nossa experiência? Vem ser Roxo com a gente.

Veja também!

Branding + Design + Web
O poder da primeira impressão na era digital

Se você acha que que aquele marca criada há anos para aquele site que está no ar faz tempo funcionará para sua em...

Se você acha que que aquele marca criada há anos p...

06 Aug. 2018 - por Adriano Frachetta
Branding + Marketing
Como as grandes marcas utilizam de elementos visuais para serem reconhecidas

Sem pensar, você consegue reconhecer qual a empresa apenas vendo determinada cor ou padrão, mesmo sem um logotipo? ...

Sem pensar, você consegue reconhecer qual a empresa...

10 Sep. 2018 - por Adriano Frachetta
Branding + Design + Marketing
Porque as marcas mudam com o tempo: Evolução dos logos

A importância dos logotipos é muitas vezes negligenciada no mundo das pequenas empresas. Geralmente, os logotipos s...

A importância dos logotipos é muitas vezes neglige...

28 Aug. 2018 - por Adriano Frachetta

© 2012-2018 Estúdio Roxo - Todos os direitos reservados.