Estúdio Roxo

Como engajar seus clientes através do branding sensorial

16 Mar. 2018
categoria Branding + Design + Marketing

O branding sensorial tem o objetivo de criar uma conexão emocional e física poderosa entre um produto ou marca com o seu cliente, explorando os 5 os sentidos em todos os níveis. Como o número de consumidores que buscam experiências e emoções que vão além do trivial só aumenta, as marcas buscam cada vez mais incorporar experiências sensoriais a fim de se conectar com seu público cada vez mais.

De acordo com pesquisas, a estratégia de aborda mais de três sentidos pode aumentar o impacto e o envolvimento da marca em mais de 70%. Bastante, né?! Esse número começa a fazer sentido se você considerar como estamos interligados e conectados com o mundo. Nos últimos anos, pesquisadores que estudaram o cérebro humano descobriram várias muitas maneiras de sentir – especialmente o cheiro – estão ligadas à memória e à experiência emocional. Quer ver… A Harvard Business School cita uma pesquisa com lápis tratados com óleo de casca de árvore: os entrevistados receberam lápis tratados e lápis não tratados, e duas semanas depois foi pedido para se lembrarem de detalhes sobre cada um. Os pesquisadores descobriram que:

“73%  daqueles que receberam lápis sem perfume esqueceram as informações sobre o produto, enquanto os que receberam o lápis perfumado pelo óleo só 8% não recordaram das informações “.

O que se constatou nesse experimento que um item muito importante foi lembrado: O nome da marca.

Esta evolução no branding representa um desafio para os gerentes de marketing, especialmente aqueles que não têm o orçamento para construir tecnologia que possibilite o marketing multisensorial. O que você pode fazer nessa caso? A dica é simples: detalhes fazem a diferença. Por exemplo, uma impressão diferentona de um cartão de visitas ou um folder. Enquanto a impressão é muitas vezes percebida como um meio estático e estritamente bidimensional, os avanços na tecnologia de impressão abriram portas para manipular a impressão tradicional de maneiras fascinantes que utilizam os sentidos além da visão.

O toque

Talvez alguns leitores possam ter essa capacidade extraordinária de mudar o canal de TV e fazer algo ainda mais sofisticado sem ter que olhar para o controle remoto ou, como no caso de muitos adolescentes que podem enviar mensagens de texto em seus celulares escondidos embaixo da carteira enquanto frequentam a aula de matemática. Isso mostra como desenvolvemos uma memória física e incluem certos produtos em nossas atividades diárias.

Os leitores geralmente preferem livros físicos aos virtuais, porque os livros têm textura e peso. O toque também tem um grande impacto nos consumidores: podemos identificar produtos de luxo examinando seu peso e textura para avaliar sua qualidade. Isto é especialmente verdadeiro para o papel – diferentes tipos e características são imbuídos de tradição e significado social. O papel de maior gramatura e de textura leve é associado a ocasiões formais, como convites de casamento ou outros anúncios formais. O papel mais acetinado e sua textura lisa estão associados à assuntos sofisticados, e usá-lo em anúncios dá à sua marca um prestígio.

Capas de livros texturizados, rótulos e algumas camisas impressas, formas que estão melhor adaptadas às nossas mãos em garrafas de maionese, molhos, bebidas; tecidos peludos e peludos agradáveis ao toque, para não mencionar os dispositivos móveis e os tablets de tela sensível tão comuns hoje. Sem dúvida, as marcas reconhecem nossa singular sensibilidade e tendência natural para sentir nosso meio ambiente como meio de interação e envolvimento com ele.

Identidade visual

Acredite ou não, a visão é o sentido mais desafiante para chamar a atenção e mantê-la por qualquer período de tempo. A concorrência com as telas digitais e o estímulo do mundo atual é difícil. A narrativa visual é uma maneira muito eficaz de chamar a atenção e envolver a mente, mas é um desafio constante.

Até hoje, a variável mais importante utilizada pelas marcas para gerar reconhecimento e desenvolver uma identidade no mercado é o senso de visão. Podemos apreciar logotipos, cores corporativas, personagens e outras ferramentas gráficas com as quais se pode identificar um produto específico. É raro uma pessoa que não reconhece o logotipo da Apple, os arcos amarelos do McDonald’s, a onda branca no fundo vermelho da Coca-Cola, etc. A lista continua e continua. Esses elementos, até agora, são o epicentro de toda a estratégia de negócios na maioria das empresas. No entanto, isso está mudando.

Marcas como a Marlboro, que sofreram o peso da proibição de publicidade em muitos lugares do mundo, decidiram investir na atmosfera de bares e casas noturnas com motivos de sua identidade de marca: imagens de cavalos e belas paisagens nas telas de tais centros, assentos em forma de montanha, imagens de carros de corrida (Marlboro é conhecida pelo patrocínio deste importante ramo), entre outros. Isso pagou lucros sutis resultantes do consumo de cigarros – e isso sem ter que usar seu logotipo.

A conclusão foi que, no final do dia, o uso do logotipo não é tão importante (pelo menos para algumas marcas), desde que o produto esteja adequadamente posicionado e associado a outras variáveis com acesso mais fácil ao nosso cérebro, Dado que, como pessoas, ao assistir essas informações de publicidade, tendemos a ter uma rejeição automática do estímulo.

Olfato

Quem nunca sonhou com o cheirinho de carro novo? O cheiro é um dos sentidos mais primitivos e emocionais que temos, em parte devido à forma como os aromas são incorporados em nossos caminhos neurais através de nossas lembranças do passado.

O nariz humano pode distinguir mais de 10.000 odores diferentes, além de ser o mais sensível dos sentidos; Tem um tremendo poder evocativo de memórias e experiências ao longo dos anos.

Quem não se lembra do cheirinho da Melissa, sandália que foi febre nos anos 90. Ou não se esquece jamais do cheiro do cheetos bolinha que era impossível comer escondido, para não mencionar as fragrâncias que nos lembram de alguma pessoa, lugar ou coisa.

Se você quer ser lembrado, você precisa servir para seus consumidores algo inesperado, mas ainda relevante para sua mensagem.

Por exemplo, se você está imprimindo cartões para promover o seu spa, por que não infundir o cheiro de pinheiros para sugerir banho de floresta, ou infundir o cheiro de limões e grama cortada fresca em uma loja de cama, mesa e banho?!

Som

Talvez a segunda variável mais utilizada pelo marketing e publicidade seja o sentido da audição. As corporações percebem que os objetos visuais não são suficientes para influenciar as decisões de compra do consumidor e decidem fornecer novos recursos aos seus produtos e marcas.

Certamente, todos nós reconhecemos a famosa música da Nokia, as notas específicas da Intel no final de cada comercial, para não mencionar alguns jingles… se eu começar a cantarolar: “dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial…” certamente você está completando a música. Além disso, separadamente dos exemplos anteriores, há outros menos óbvios, mas igualmente ou mais importantes, como é o caso do “clique” de isqueiros Zipo; Os sons de alerta do Messenger, o ronco dos escapamentos da Harley, mesmo o som que sai das portas de muitas marcas de automóveis, como a GM ou Chrysler, foi projetado para ser único e gerar reconhecimento em nossa mente.

Sabor

Nada como um sabor agradável… Variável em excesso (por motivos óbvios), especialmente para marcas de alimentos e bebidas. Fórmulas secretas preciosamente estimadas, ingredientes “x”, receita de avó, ingredientes exóticos, uma mística completa desenvolvida em torno de nossa comida ou bebida favorita. Por outro lado, há medicamentos com um sabor agradável para crianças e pasta de dentes aromatizados com gostinho de chiclete. No entanto, o envolvimento do sentido do gosto em estratégias de negócios saiu de seu habitat para iniciar seus “passos de bebê” em áreas inesperadas: lápis e outros materiais de escritório (para aqueles que gostam de morder incessantemente), bem como brinquedos e roupas com sabor para crianças pequenas.

Conclusão

Quando se trata de publicidade, você não pode subestimar o poder do Branding sensorial. Nos anos futuros, o refinamento em tecnologia vai permitir uma experiência mais interativa com o consumidor. Associar sua marca aos sentidos pode colocar sua marca na memória inconsciente dos consumidores, onde pode viver por meses ou anos.

O Estúdio Roxo sente sua marca. Vem ser Roxo com a gente!

Veja também!

Branding + Design
A cor como estratégia de branding.

Quando você pensa em Coca-cola, qual cor que vem à mente? E quando você lembra do facebook? As marcas globais usam...

Quando você pensa em Coca-cola, qual cor que vem à...

17 Feb. 2018 - por Adriano Frachetta
Branding + Design + Marketing
Harley-Davidson: mais que uma marca, um estilo de vida.

Ame ou os odeie, Harley-Davidson é a marca mais evocativa do mundo. Muitas vezes questionada pelo seu valor superest...

Ame ou os odeie, Harley-Davidson é a marca mais evo...

24 Jan. 2018 - por Adriano Frachetta
Marketing + Web
A experiência de compra online.

Nos anos 70, comprar o presente de natal era literalmente uma caixinha de surpresa. Você ia até a loja, escolhia um...

Nos anos 70, comprar o presente de natal era literal...

28 Aug. 2018 - por Adriano Frachetta

© 2012-2018 Estúdio Roxo - Todos os direitos reservados.