Estúdio Roxo

Storytelling: envolvendo pessoas e marcas

07 Nov. 2019
categoria Branding + Marketing

A atenção das pessoas é o ativo mais importante que uma empresa pode ter atualmente. Mas, na era do excesso de informações, na qual somos bombardeados a cada segundo por uma avalanche de estímulos sensoriais, como fazer para que as pessoas parem por alguns instantes e foquem exclusivamente na mensagem que a minha marca quer transmitir?

A resposta é uma só: contando boas histórias. Histórias impactantes, memoráveis, que gerem conexões emocionais, que façam com que as pessoas se vejam refletidas no protagonista e no enredo. Histórias que tragam o receptor para dentro da jornada, para que ele se sinta parte do contexto, defendendo, como um herói, seus valores, sua missão, seu ponto de vista.

Uma boa história humaniza a marca, gera empatia, traz o consumidor para perto. Ela passa a enxergar a marca como uma amiga, alguém em quem pode confiar e que existe para solucionar seus problemas, agregar valor à sua vida.

Toda empresa ou marca tem uma história para contar. A diferença é que algumas se sobressaem pelo jeito como a história é contada. Para isso eles usam os recursos do storytelling.

O que é Storytelling

Nós, do Estúdio Roxo, adoramos uma história bem contada. Por isso sempre usamos o storytelling para transformar a história de nossos clientes em algo épico e memorável, agregando ainda mais valor aos seus produtos e serviços.

O storytelling é um método que se vale de narrativas aplicadas em palavras ou recursos audiovisuais para transmitir um conceito. Ele tem sido bastante utilizado no marketing como meio de promover a marca sem vender diretamente. É uma excelente ferramenta para compartilhar conhecimento e atrair pessoas para a marca.

Sabemos que a quantidade de informação em abundância faz com que os consumidores fiquem anestesiados, dificultando que algo chame sua atenção ou gere algum impacto. Com o storytelling, você consegue contar uma história única e real, que envolve o seu potencial cliente e faz com que ele associe a sua solução com a mensagem transmitida.

A boa história fica impregnada na mente, pois consegue ativar uma parte do cérebro que o ajuda a entender melhor o seu conteúdo. Com isso, gatilhos mentais são ativados num processo emocional que faz com que ele se identifique, se conecte com sua solução e é influenciado na tomada de decisão, aumentando as chances de fechar uma venda.

Uma boa história possui a capacidade de inspirar as pessoas, diferente de fatos ou informações isoladas. Além disso, histórias aguçam a curiosidade, o que nos faz direcionar a nossa atenção para ouvir e entender melhor o que está sendo falado.

O estreitamento da relação entre as duas partes envolvidas no processo gera o engajamento necessário para alavancar vendas de uma maneira indireta, subjetiva e muito mais emocional.

Como usar o storytelling para conectar minha marca às pessoas?

Mas por que o storytelling é tão poderoso? Porque o ser humano estabelece melhor as ligações interpessoais através do ato de contar e ouvir histórias. A visão humana de mundo se resume na junção de histórias sobre fatos narrados em que se acreditam. E é de nossa natureza compartilhar casos, valores e visões. Isso vai ao encontro da necessidade de pertencer a uma tribo, a um grupo específico.

Diante disso, o que se tem comprovado diariamente é que empresas que decidem usar o storytelling em suas estratégias de branding tendem a ser mais bem sucedidas nas relações comerciais.

Para desenvolver o storytelling de maneira assertiva nós, do Estúdio Roxo, utilizamos os seguintes passos:

1) Conheça seu público e crie um protagonista com o qual ele se identifique

Todos nós podemos nos identificar com histórias, sobretudo aquelas cujos protagonistas se parecem conosco. Portanto, crie um personagem principal que se assemelhe com a sua audiência, que tenha problemas e objetivos parecidos.

2) Começo, meio e fim

Ao criar uma história, ela precisa ter início, desenvolvimento e conclusão e todas as etapas precisam estar bem conectadas até a chegado do clímax. Por exemplo: ao contar um case de sucesso, comece pelas dificuldades que o cliente (protagonista da história), tinha, como foi o envolvimento com você e como a sua solução deu a ele um final feliz.

3) A força do antagonista

Um bom protagonista precisa de um bom antagonista. O antagonista não precisa ser um personagem, pode ser um desafio, um problema, uma meta. Exemplo: A empresa X tinha os melhores produtos mas não conseguia vende-los; para não ser fechada ela tinha 30 dias para achar uma solução e vender todo o estoque. O antagonista aqui é o fato de não vender o produto e ter 30 dias para achar uma solução. Perceba que a dificuldade vai enaltecer ainda mais os atributos do protagonista.

4) Engaje e inspire

Ao contar uma história, você transmite um ensinamento e motiva seu público a fazer o mesmo. Por isso, mantenha uma boa comunicação durante a narrativa de modo que as pessoas se sintam inspiradas a fazer o mesmo que fez o personagem da história.

5) Duração da história

Mesmo que a sua história seja muito interessante, ela se tornará cansativa se for longa demais. Afinal, a pessoa que está ouvindo pode acabar desviando a atenção e não fazer o que a sua história está propondo.

Além disso, recomendamos:

· Trabalhe com emoções e sentimentos universais

· Seja genuíno e não tente colar a marca em algo que não seja coerente

· Observe a reação do público em campanhas adjacentes e concorrentes

· Estude bem o DNA da sua marca para descobrir quais personagens estão dentro de seu território

· Busque personagens em lugares incomuns: há histórias maravilhosas que precisam ser contadas e muitas vezes elas estão bem perto de nós

Cases

Vivo

Em 2011, a operadora de telefonia Vivo lançou um vídeo que até hoje é lembrado como um dos maiores cases de storytelling do país. O comercial trouxe a história de Eduardo e Mônica, o casal cantado na música da Legião Urbana. O vídeo – praticamente um curta metragem – foi lançado pouco antes do Dia dos Namorados como homenagem da marca aos casais apaixonados. A estratégia de conectar pessoas com uma história romântica deu muito certo: nas primeiras 24 horas após o lançamento, o vídeo teve 1,8 milhão de visualizações.

Airbnb

O storytelling está no coração do marketing da Airbnb. A compreensão do seu público e o uso criativo de dados do consumidor a tornou uma das marcas mais emblemáticas de hoje. Sua mensagem é centrada na hospitalidade local e comunitária, aproveitando os desejos dos turistas por mais experiências locais.

Para o Ano Novo de 2015, a empresa contou sua história através de um vídeo animado, anunciando que aproximadamente 550.000 viajantes passaram a véspera de Ano Novo em um de seus muitos aluguéis em 20.000 cidades – um salto vindo de apenas 2.000 hóspedes cinco anos antes.

Kombi

Há mil formas de contar uma história que cative quem está ouvindo ou assistindo. Em 2014, o encerramento da linha de produção da Kombi se transformou em um grande case de storytelling.

E de forma bem curiosa: um produto que deixaria de existir virou o queridinho da vez, emocionando os telespectadores com um vídeo de quase 5 minutos que narra a história do veículo. A “senhora Kombi” contou a sua trajetória em primeira pessoa e certamente arrancou lágrimas de muita gente, que encontrou ali memórias de sua própria vida.

Heineken

Patrocinadora da Champions League em 2016, a Heineken criou um storytelling para agradar 0 público feminino e mostrar que mulheres também gostam de futebol. A história mostra homens sendo abordados secretamente para assistirem a final da Liga em um evento da cerveja, o que seria necessário convencer suas namoradas ou esposas a irem para um SPA.O convite irrecusável, com uma boa compensação para suas companheiras não deixa dúvidas, e eles executam o plano. Porém, no dia do jogo, descobrem que elas não foram enviadas para um SPA, e sim, para assistirem ao jogo ao vivo, em Milão. Com o nome “The cliché”, a campanha se diverte com o fato do senso comum achar que mulher não gosta de futebol.

· Spotify

O Spotify coleta dados contínuos sobre quais músicas, playlists e artistas seus milhões de usuários selecionam. E esses dados resultam em bons exemplos de storytelling. O serviço de streaming de música combina essas informações com os dados de localização dos ouvintes e dados demográficos, usando-os para criar conteúdo original.

No final de 2017, o Spotify espalhou outdoors pela cidade de Londres com chamadas espirituosas para a campanha que intitulou de ‘Goals 2018’ (Objetivos de 2018). As frases serviam como resoluções cômicas de Ano Novo – usando os hábitos dos ouvintes do Spotify em 2017 para sugerir com humor estratégias para lidar com a vida em 2018.

Quer contar a história da sua empresa?

Então, vem ser Roxo com a gente!

Veja também!

Branding + Marketing + Web
O futuro é fluido: por dentro das marcas mutantes

Seja uma startup do Vale do Silício ou uma padaria familiar, uma empresa que passa por um rebranding de marca alavan...

Seja uma startup do Vale do Silício ou uma padaria ...

06 Aug. 2018 - por Adriano Frachetta
Branding + Marketing
Como estabelecer um estilo de fotográfico para sua marca

Nos dias de hoje que somos bombardeados com imagens diariamente, o estilo fotográfico faz mais do que simplesmente v...

Nos dias de hoje que somos bombardeados com imagens ...

10 Sep. 2018 - por Adriano Frachetta
Branding + Design + Marketing
Como a embalagem da Apple oferece aos compradores uma experiência sensorial que fortalece a marca

A “experiência sensorial” pode não ser a primeira coisa que temos em mente quando pensamos em estratég...

A “experiência sensorial” pode não ser...

06 Oct. 2018 - por Adriano Frachetta

© 2012-2019 Estúdio Roxo - Todos os direitos reservados.